História das Casas pré-fabricadas

As Casas pré-fabricadas, ou em grande parte pré-construídas estão disponíveis em múltiplas formas, pelo menos desde os meados da década de 1800. Variando em estilo, desde chalés e casas móveis com visões arquitectónicas, as casas pré-fabricadas estão prontas para mudar a construção de casas para um futuro mais verde, (segundo alguns membros da indústria da construção).

História das casas pré-fabricadas Pré-1900

Diferentes fontes dão datas diferentes para a produção da primeira casa pré-fabricada.

1. Seja qual for o ano específico, o conceito do que constitui uma casa pré-fabricada, aparentemente, manteve-se estável durante os últimos dois séculos. “A casa pré-fabricada” refere-se a diversos tipos de sistemas de construção em que uma casa é totalmente ou parcialmente construída, fabricada, ou montada numa fábrica.

Esperança modernista

2. Ao longo do século 20, muitos arquitectos mundialmente famosos lideraram as pré-técnicas de construção para o custo “baixo e capacidade para reformular a concepção das pessoas, no que diz respeito às casas pré-fabricadas.

3. Sears, Roebuck e Co. teve grande sucesso com casas pré-fabricadas entre 1908 e 1940. O revendedor estima ter vendido tantos como 75 mil kits de casas pré-fabricadas durante esse período, tanto aos trabalhadores de classe média que se deslocavam para fora das cidades e dos subúrbios em crescimento rápido e a famílias ricas que procuravam casas de férias, a baixo custo.
Nos seus arquivos online, Sears cita duas razões para o sucesso dos seus kits de casas pré-fabricadas. Em 1º lugar, a empresa ofereceria tantos como 447 projectos diferentes, que vão desde o Ivanhoe multistory à Goldenrod com três quartos, sem quarto de banho. Sears ainda permitia que os clientes apresentassem projectos personalizados para a casa pré-fabricada. Isso tornava os kits das casas, atraentes a vários tipos de consumidores.
Em 2º lugar, os kits incluem estruturas de balão, paredes de gesso e telhas de asfalto. Cada um destes componentes simplifica o processo de construção e aumenta a resistência (ao fogo) da estrutura.

Casas móveis

4. A casa móvel – construída numa fábrica e transportada em uma ou duas peças para o seu destino final, tornou-se o modelo dominante das casas pré-fabricadas nos Estados Unidos depois do ano de 1945. O preço de compra acessível destas casas tornava-as particularmente atraentes aos muitos veteranos que regressavam da Segunda Guerra Mundial.
As casas pré-fabricadas erguidas de concreto, plástico e estruturas de aço desfrutaram de mais sucesso fora dos Estados Unidos durante o período pós-guerra. De acordo com os números citados pela NPR, as casas pré-fabricadas são responsáveis por 20 por cento do mercado da habitação no Japão.

Promessa Verde

5. Em resposta à pergunta: “Por que devo escolher uma casa pré-fabricada?” “As casas pré-fabricadas têm uma maior eficiência energética e, produzem menos resíduos durante o processo de construção.”

Tecnologias apresentaram-se como parte da exposição MOMA, com um sistema promissório para facilitar as especificações dos clientes em máquinas de corte a laser para facilmente produzir e montar os componentes.

2010: De novo o ano das casas Pré-fabricadas

Isto não faz sentido. Esta é a reacção racional quando se assiste à construção de uma casa construída em madeira. Mais um contentor cheio de (material) resíduos, a caminho do local do aterro, a exposição da estrutura aos elementos, o infinito vem e vai de subempreiteiros, os atrasos inevitáveis com a construção de casas tradicionais….  

Será que as casas construídas hoje, em madeira, serão parte do museu do futuro?

O que faz sentido é a pré-fabricação. Poucos encontram argumentos contra os benefícios aparentes das casas Pré-fabricadas, a fabricação e montagem de componentes num ambiente controlado, explorando economias de escala e minimizando o tempo de construção. Melhor qualidade, menores prazos de entrega, custos mais baixos. E ainda as pré-fabricadas (como as casas são muitas vezes chamadas) continuam a ser vistas pela maioria das pessoas como a excepção às regras peculiares do sector da construção.

No entanto, os tempos estão a mudar e todos nós devemos estar preparados para nos reinventar, incluindo na indústria da construção. Será que a era da pré-fabricação está para amanhecer?

 

Uma casa pré-fabricada típica da Sears Roebuck

 

Talvez fosse isso que a Sears, Roebuck & Company pensou em 1908, quando começou a transportar os kits de casas pré-fabricadas, vendidas por catálogo através dos Estados Unidos. Quando o ultimo kit foi despachado, um terço de uma década depois, a empresa tinha vendido quase 100 mil casas, o equivalente a 3.125 por ano. A era das pré-fabricadas ainda não tinha iniciado.
A Segunda Guerra Mundial iria mudar as coisas. As casas pré-fabricadas eram a solução para a terrível falta de habitações que esperavam os soldados que voltavam da guerra. Os antigos sites das bombas tornaram-se locais de construção.  

“Casas para os heróis”. Pré-fabricadas em Catford, sudeste de Londres.

Pequenos grupos de chalés com estrutura em madeira, tectos planos, um único andar e dois quartos, substituíram as tradicionais casas de tijolo, edifícios que tinham sido arrasados por as bombas de Hitler.
Mal isoladas com apenas 60 metros quadrados de espaço, esperava-se que essas casas durassem 10 anos. Sessenta e dois anos depois, o governo do Reino Unido designou 21 casas pré-fabricadas na propriedade Excalibur como sendo de importância histórica. Uma ou duas ainda estão ocupadas por os seus proprietários originais, a maioria foram renovadas por várias vezes, de um remanescente de 150 mil casas pré-fabricadas que foram construídas. Dificilmente uma visão para o futuro.
 

O Excalibur Estate, tem 62 anos e ainda continua forte.

A crise do imobiliário norte-americano do pós-guerra foi tratada de forma diferente. Em 1945, a família Levitt usou técnicas de produção em massa para construir casas novas. Cada elemento do processo de construção foi sistematizado e afinado para alavancar as economias de escala máxima. Os números falam por si. Quatro mil hectares de terras adquiridas, 25 milhas de Manhattan; 17.400 casas construídas, 82 mil famílias alojadas, 150 casas idênticas, de dois quartos concluídas a cada semana.
 

Levittown, NY.

Levittown Long Island, o primeiro subúrbio alastrando nos Estados Unidos, era a antítese de “in-fill”. Seguiram-se mais dois Levittowns, ambos na Pensilvânia. Tal como as pré-fabricadas britânicas, Levittown ofereceu a muitos daqueles que retornam da guerra a primeira experiência de ser proprietário de uma casa. As casas de construção barata, produzidas em massa foram reconhecidas pelo que eram, casas de ‘começo’.
 
Foi o surgimento de viver em parques de campismo na década de 1950 que, por um lado, criou um mercado novo e altamente rentável para a construção das casas pré-fabricadas. Para muitos, esta era a habitação a preço acessível. Entre 1959 e 2007, mais de 12 milhões “de casas fabricadas” foram construídas nos Estados Unidos. Isto é uma média de quase um quarto de milhão de unidades a cada ano durante 49 anos.
 

A mãe de todos os parques de reboque.

Em 1973, o ano de pico de produção, 580 mil unidades foram transportadas ao longo das estradas do país, desde a fábrica até ao local de montagem. Mas até 2007, o número caiu para 95.000, ou um sexto do ano de pico.

Será que o sonho da casa pré-fabricada estava a desaparecer?

Não, se ler a Dwell Magazine ou sentir a frustração da falta de trabalho qualificado na construção civil ou enfrentar o choque do desperdício e dos altos custos do material, que está ligado à construção de habitações construídas de modo tradicional (durante a primeira década do novo século).  

A casa pré-fabricada na floresta. O vencedor da competição Dwell.

Em Janeiro de 2003, Dwell Magazine desafiou 16 arquitectos para projectar e construir uma casa pré-fabricada por US $ 200.000 ou menos. O editor Allison Arieff diz, “Aprendi que incontáveis arquitectos e designers modernos tinham ‘tentado’ casas pré-fabricadas, desde Le Corbusier, Frank Lloyd Wright a Philippe Starck, mas os seus esforços resultaram numa série de falhas nobres”. Aqui estava uma oportunidade para um grupo de designers menos conhecidos, terem sucesso onde outros falharam. A casa que ganhou, projectada pela Resolução: 4 Arquitectura, abriu em 10 Julho de 2004. É uma casa arejada e moderna, bem iluminada, sedutora e intransigente no seu grande lote de madeira.
A produção em massa numa escala que permita a competição das pré-fabricadas com as casas com construção tradicional em termos de custo, e ao mesmo tempo evite a triste acusação de ‘sem graça’”homogeneidade “, permanece indefinida. A tecnologia da construção continuará sem dúvida a desenvolver e a tornar-se mais modular e de natureza pré-montada, reduzindo custos, melhorando a qualidade e eliminando resíduos. Mas será que a maioria de nós estará a viver em casas verdadeiramente pré-fabricadas no futuro imediato?

Talvez devesse-mos pensar sobre as casas pré-fabricadas como construções especiais que se enquadram em certas circunstâncias, melhor do que as formas convencionais de construção. Por exemplo, onde a repetição e a simplicidade revela vantagens acima das desvantagens. A repetição de arquitectura e a simplicidade tornam-se em virtudes, em conjunto com a tecnologia verde.
Isso pode ser o futuro das casas pré-fabricadas, minimizando o impacto dos seres humanos à medida que gozam uma vida de espectacular lazer. Usando técnicas de fabricação mais eficientes para reduzir o desperdício. Construindo casas de forma rápida e eficiente, a fim de controlar os custos e permitir que os desenvolvedores de lazer possam construir uma massa de edifícios no menor tempo possível. Isto talvez não possa ser atingido em 2010, mas é com certeza algo com que podemos sonhar nos próximos anos.

5 comentários

  1. Claudia Inglês

Deixe a sua opinião